Supporting the Policy Environment for Economic Development
SPEED+

Jovens moçambicanos desafiados a engajarem-se na conservação da biodiversidade

Os jovens são chamados a engajar-se activamente na luta em prol da conservação da biodiversidade. O repto foi lançado semana finda, entre os dias 26 a 29, no encerramento da décima Conferência Científica organizada pela Universidade Eduardo Mondlane (UEM) em colaboração de vários parceiros, dentro os quais a USAID através do Projecto SPEED+.

O evento foi caracterizado por várias apresentações de estudantes, docentes e pesquisadores que versavam sobre a biodiversidade, tendo sido organizado em várias áreas temáticas nomeadamente: 1) Dinâmicas socio-ecológicas; 2) Biodiversidade e Mudanças climáticas; 3) Biodiversidade e Desenvolvimento; 4) Ecossistemas; 5) Biodiversidade e Governação e 6) Biodiversidade e Espécies ameaçadas.

Os jovens constituem um número significativo dentro da sociedade moçambicana. Ciente desta realidade, a USAID através do projecto SPEED+, tem apoiado a UEM em iniciativas científicas relacionadas com a conservação da biodiversidade e orientadas para jovens. Neste contexto, o projecto prestou apoio na organização da conferência, considerando que constitui uma plataforma de consciencializar os jovens estudantes de modo que sejam futuros líderes na conservação da biodiversidade.

Falando sobre o tema: Biodiversidade e Boa Governação, o Professor e investigador Associado da Universidade Sapienza de Roma, Fabio Attore alertou que o planeta está a perder a luta em prol da conservação da biodiversidade. Para o reverter o cenário crítico, o académico apela para a mudança de atitude e adopção de medidas coordenadas e alinhadas de todos os actores, inclusive jovens, em defesa da biodiversidade.

Se trabalharmos de forma isolada, muito provavelmente iremos eliminar um problema criando outro e no geral, os resultados nunca serão eficientes”, defendeu.

Moçambique é signatário da Convenção sobre Diversidade Biológica (CBD), sobre a exploração sustentável dos recursos, no entanto o académico lamentou o facto de ainda não se conseguir a implementação efectiva desse acordo. Muito recentemente, no prosseguimento das actividades em prol da biodiversidade no país, a USAID através do SPEED+ e outros parceiros apoiou a Procuradoria-Geral da República na formação de magistrados do sector público, fiscais e investigadores em procedimentos e trâmites processuais sobre casos de crimes contra fauna bravia. O objectivo era capacitar tecnicamente os profissionais que defendem a proteção da vida selvagem, com vista alcance desse compromisso internacional.

Por sua vez, o investigador Associado de uma Universidade de África de Sul, Michel Schleyer acrescentou que “as mudanças climáticas são uma das maiores causas que ameaça a biodiversidade”. O académico desafiou os jovens estudantes a desenvolver estudos que revelem o impacto das mudanças climáticas na biodiversidade de Moçambique. Ao longo da sua apresentação, investigador citou como exemplos as cheias de 2000 em Xai-Xai, vários ciclones e tempestades que ocorrem ciclicamente no país.

Este ano, o evento decorreu sobre o lema: “Tornar visível o invisível”. Para Raimundo Alberto, professor da Universidade Pedagógica, uma dessas espécies invisíveis são os insectos. O professor abordou o tema sobre importância económica da conservação dos insectos, onde defendeu que essas espécies de pequeno porte são importantes para a manutenção do ecossistema pelo que nunca deviam ser deliberadamente eliminados.

 A Conferência Científica da UEM acolheu outras pesquisas realizadas pelos estudantes do Departamento de Ciências Biológicas, docentes e investigadores nacionais e internacionais da área.