Facilitando o Ambiente de Negócios para o Crescimento Económico
SPEED+

A lei sobre ARENE

Moçambique está em um ponto crítico no desenvolvimento de seu sector de energia. Actualmente, os líderes estão fazendo mudanças essenciais em muitas áreas, incluindo a revisão do mandato e a melhoria da solvência da concessionária estatal, fortalecendo o ambiente propício à geração privada e promovendo uma central térmica a gás de 400 MW e uma linha de transmissão de 560 quilômetros associada, essa será a primeira fase de um backbone de transmissão norte-sul desesperadamente necessário para o país. No centro de tudo isso está a criação de um novo regulador independente de energia, a Autoridade Reguladora de Energia (ARENE).
Os países devem ter um regulador politicamente independente que permita o investimento privado enquanto protege os consumidores. Em 1997, o Governo de Moçambique criou o Conselho Nacional de Eletricidade para executar certas funções de um regulador, mas apenas em uma capacidade consultiva não vinculativa. Ao longo dos anos, a discussão sobre a criação de um corpo regulador real continuou. Moçambique conseguiu isso em 2017, quando o Parlamento aprovou a lei criando ARENE. A lei foi publicada oficialmente em 8 de setembro de 2017 e entrou em vigor três meses depois, em 9 de dezembro de 2017.
O projecto financiado pela pelo SPEED+ USAID USAID e a Dra. Ashley Brown, Directora Executiva do Harvard Electricity Policy Group, em parceria com membros da Comissão Económica Parlamentar de Moçambique, Confederação de Associações Económicas do sector privado e Conselho Nacional de Eletricidade para fortalecer os elementos específicos da lei para garantir ARENE tem as autoridades necessárias para ser politicamente independente, eficaz e prestar serviços de alta qualidade. Elementos centrais de discussão relacionados ao isolamento de pressões políticas de curto prazo, processos de tomada de decisão transparentes e acessíveis, estrutura de agência, princípios processuais e substantivos que devem ser seguidos e metodologias aplicáveis ​​a serem adoptadas pela ARENE. O processo de consulta foi bem-sucedido, resultando em uma lei final que aborda todos os princípios incentivados pela Power Africa, a saber:

Independência da ARENE, objetividade, proporcionalidade, transparência, imparcialidade e previsibilidade (Artigo 5)

  1. COMPETITIVIDADE do mercado da energia (artigo 3.º-C)
  2. Interesse e proteção dos investidores consumidores (Artigo 3e) e
  3. Eficiência energética (artigo 3d)Energy market competitiveness (Article 3c)
  4. Energy efficiency (Article 3d)

     Viabilidade económica (Artigo 3d)

     Sustentabilidade ambiental (Artigo 3d)

Agora que a ARENE foi estabelecida, a Power Africa continuará a trabalhar com a liderança da ARENE para ajudar a ARENE a se tornar o regulador independente e capaz que Moçambique precisa.

Opening of valves in fuel supply system by a Petromoc company employee. Credit — Petromoc

Recursos